quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

FAMÍLIA

                                           
Ângela e eu chegamos de Porto Alegre. Celebramos, com tantos outros familiares, 80 anos do tio João Batista, o irmão mais novo de meu pai Geraldo, que foi o irmão mais velho dessa geração dos Fonteles.
Várias gerações encontraram-se em Porto Alegre, que se fez, realmente, porto de chegada e alegre no encontro de tantas e tantos, vindos de lugares diversos.
A família é bem isso, como corretamente realça a Constituição Pastoral do Concílio Vaticano II, a Gaudium et Spes: “lugar de encontro de várias gerações que reciprocamente se ajudam a alcançar uma sabedoria mais plena e a conciliar os direitos pessoais com as outras exigências da vida social” ( leia-se: Gaudium et Spes nº 52, § 2º ).
Sim, lugar de encontro, de acolhida, de ajuda e de aprendizado.
A mulher e o homem, em família a mãe e o pai, que geram a vida, presente na filha, no filho, ou em ambos, naturais ou adotivos, porque a geração não só se consuma no ato biológico, sagrado, da união do corpo e da alma da mulher e do homem, mas também se perfaz no ato de doação, sagrado, da mulher e do homem, expresso no adotar quem abandonado fora.
Somos seres relacionais, porque somos chamados ao amor.
A mulher e o homem, porque filhos do Deus-Amor, que os criou por amor, não existem para a solidão, mas para a comunhão.
Ninguém guarda o amor para si. O amor, necessariamente, é expansão, faz com que saiamos de nós mesmos e experimentemos o êxtase, que é o feliz sentimento de romper e abandonar o eu encarcerado no egocentrismo para que nos unamos, para que nos doemos ao outro - o alter-, ao que é diferente de nós mesmos.
Quem não é tomado de terna e profunda alegria ao admirar o abandono do bebê no regaço materno; ao admirar a euforia do pai erguendo em seus braços a filha, ou o filho; ao admirar o casal, já ancião, caminhando, mãos dadas, mais um dentre tantos caminhos percorridos; ao admirar a mulher e o homem que, nas tribulações do cotidiano, perseveram e, na surpresa do inesperado, expressam em gestos, em atos e, por vezes, mesmo no calar, o profundo significado do: eu te amo.
Vou lhes oferecer, leitoras e leitores, trecho de reflexão que o padre Gustave Desjardins – meu pai espiritual – deixou-nos, por escrito, justo sobre a família:
“A família não é somente a base da sociedade, senão o fundamento da religião. Nas épocas em que a família se desintegra, e não foi só agora, a religião entra em crise. A família é o termômetro da religião, e vice-versa. Quando a família tosse e está com calafrio, vai ver que sua religião está com febre, e vice-versa. Os sacerdotes mais importantes são vocês, pais e mães de família, não os que estão nas igrejas.” (leia-se: Homilias do Padre Gustave Desjardins – vol. 1 – pg. 166 ).
Nos dias de hoje, estamos tão desorientados que a religião é travestida. Com efeito, há os que em seu nome, covarde e brutalmente, assassinam; há os que também se dão ao direito de grosseiramente menoscabar o sentimento religioso dos demais.
Ora, todos quantos professam determinada religião, fazem-no porque não se consideram bastantes em si mesmos. Almejam religar-se ao Deus, que os criou, e os criou, por amor, reafirmo, tanto que não os abandonou, fazendo-se um de nós – Jesus, o Cristo – para os cristãos; ou falando pelos Profetas aos Povos do Livro – Alcorão e Torá -, como o fizeram Maomé e Isaias, respectivamente para nossas irmãs e nossos irmãos muçulmanos, e para nossas irmãs e nossos irmãos judeus.
Não há o Deus da morte, assim como não se pode ridicularizar, menoscabar, o Deus de quem quer que seja. Todavia, a conduta grosseira, de menoscabo, contra o sentimento religioso da pessoa não legitima o assassinato de quem assim se conduziu, mas o seu processamento criminal e cível pelo claro e ilegal abuso no direito de manifestar sua opinião, ou informação. E todo aquele que abusa do direito que tem, pelo abuso perde-o e, portanto, deve ser judicialmente punido.
Há poucos dias atrás, mais precisamente no dia 22 de dezembro de 2014, o Papa Francisco, falando para a Cúria romana, e relevando, à semelhança dos Padres do deserto que redigiram o “catálogo das doenças” a serem combatidas, o que chamou de “doenças curiais”, assim apresentou a primeira “doença”:
“1. A doença de sentir-se imortal, imune, ou mesmo indispensável, descuidando os controles habitualmente necessários. Uma Cúria que não se auto-critica, não se atualiza, nem procura melhorar é um corpo enfermo. Uma normal visita ao cemitério poder-nos-ia ajudar a ver os nomes de tantas pessoas, algumas das quais talvez pensassem que eram imortais, imunes e indispensáveis. É a doença do rico insensato do Evangelho, que pensava viver eternamente ( cf. Lc 12, 13-21)  e também daqueles que se transformam em patrões, sentindo-se superiores a todos e não ao serviço de todos.Tal doença deriva muitas vezes da patologia do poder, do complexo dos Eleitos, do narcisismo que se apaixona pela própria imagem e não vê a imagem de Deus gravada no rosto dos outros, especialmente dos mais frágeis e necessitados. O antídoto para esta epidemia é a graça de nos sentirmos pecadores e dizer com todo o coração:Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer (Lc 17, 10). ( leia-se a íntegra do Discurso em www.vatican.vagrifos do original ).              



2 comentários:

Jose Carvalho disse...

Não se pode ofender a religião dos outros , fazer guerra ou assassinar em nome de Deus.
Obrigado Dr. Cláudio

bas ketball disse...

While many consumers long for the days when games were sold as complete products, the industry is growing increasingly hostile to full-price games without an additional revenue stream in place.
RS3 Gold