segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Em defesa da vida

         Muito importante é ter a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB -, por sua específica comissão, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar, instituído a Semana Nacional da Vida, celebrada de 1 a 7 de outubro, a cada ano, e destacado o dia 8 de outubro como o Dia do Nascituro.

         Muito importante porque a nós católicos, e a todos os demais irmãos e irmãs de outras opções religiosas, e demais pessoas de boa vontade, ainda que não professem qualquer fé, o compromisso com a vida desde a fecundação até o seu termo final é a expressão mais nítida da existência mesma.

         Como existir, sem viver?

         Para nós, cristãos, é tornar real e eficaz o ensinamento de Jesus, o Deus-Amor, que por ser Amor não é solidão, mas perene comunicação, claramente expresso em S. João, quando em boa nova diz:

                                   “Eu vim para que todos tenham a vida e a tenham
                                   em abundância.” ( Jo. 10, 10 ).

        A adesão a Jesus compromete-nos com a vida, e a vida em abundância, ou seja, sem que seja considerada, em equivocada compreensão redutiva, em tal ou qual momento das etapas do existir, mas do existir, por inteiro, desde o ato de fecundar, que significa receber o código genético, único e irrepetível, como ser humano e, no ventre materno, autodesenvolver-se, até a morte natural.

         A vida em abundância conduz-nos, também, à experiência cotidiana da partilha.

         Viver em abundância jamais significa o acúmulo solitário e egoísta de bens, tão à moda da sociedade secularizada em que vivemos, mas a possibilidade real de que a todos é o oferecido o banquete da vida, e em todas as suas dimensões: material e espiritual.

         À leitora e ao leitor, ofereço poema, que escrevi, por ocasião de momento em minha vida em que lutei pela vida de todos nós, desde quando embriões.

         Eis o poema:




                                       O  QUE  TODOS  SOMOS


                                                            I

                                               Ainda tão imperceptível
                                               por todos,
                                               mesmo por quem o acolhe,
                                               todavia é.

                                                            II

                                               Desde a fecundação,
                                               expressão própria da união
                                               livre ou constrangida
                                               de quem inexoravelmente pai e mãe,
                                               todavia traça seu itinerário
                                               na construção, desde então,
                                               autônoma
                                               do que é.


                                                            III

                                               Movimenta-se em ciclos
                                               mais ou menos incessantes,
                                               todavia contínuos,
                                               porque experimenta
                                               o silêncio da madrugada escura
                                               que o conduz ao nascer
                                               à festa de cores e luzes,
                                               convite ao crescer,
                                               o deixar-se em suspiro último,
                                               possibilidade de transcender
                                               além do que é.


                                                                                                 
                                                                                                    Paz e Bem. 
                                               

2 comentários:

Coisa de Naval disse...

Amigo Cláudio, recebi seu blog, cadastrei-me como seguidor - "Coisa de Naval". Parabéns. Gil

Adriane Henriques disse...

Estimado amigo, eterno professor.Já sendo seguidora de seus passos e seus ensinamentos em outras áreas, muito me alegra contar com a direção segura de suas palavras, fruto da grande benção de colocar a vida nas mãos do Nosso Senhor Jesus Cristo! Parabéns! Conte com nosso apoio, Adriane e Wilton